11 de junho de 2011

COM A PRONTIDÃO CANCELADA, CMT GERAL CEL PM MÁRIO SÉRGIO, INCITA UNIÃO ESCONDIDA NOS AZUIS

A notícia caiu como uma bomba. A mensagem determinando a prontidão, no domingo (amanhã) gerou uma revolta não vista há tempos na controlada e manipulada PMERJ.

Por sorte (do Cel PM Mário Sérgio), ou azar, a tropa estará amanhã em peso na orla de Copacabana. Será um dia histórico.
Este fato acabou incitando a união entre praças da PMERJ. Mas ainda não foi o suficiente. Ainda teremos muito chão pela frente se a PMERJ quiser realmente ser clamada e apoiada pela população fluminense como foi no caso dos bombeiros. Eles sim, estão de parabéns.

Podemos, agora depois de tudo, aprender com eles. Aprender como pressionar o Estado. Sabe-se que, sendo militares, o governador pode agir com a pura arbitrariedade que lhe é notória (diga-se: ditadura), jogando a força policial de encontro aos "manifestantes" (mas não seriam irmãos?). Sim. O (des)governador do Rio de Janerio sérgio cabral (sempre com iniciais minúsculas) é um vândalo. Um marginal. Um bandido. Mas isso são só elogios. 

Vamos todos nós, amanhã, praças da PMERJ.
Vamos todos nós, amanhã, oficiais da PMERJ.

Vamos juntos, fazer, A MAIOR PASSEATA DE TODA A HISTÓRIA DA SEGURANÇA PÚBLICA.

 Todas as categorias funcionais do Estado também devem participar, trazendo faixas, cartazes. Venham com a família.

EVENTO ORDEIRO E PACÍFICO.

Vamos mostrar o nosso número. E o quanto somos fortes e onipotentes. Não poderão nos envergar se estivermos juntos e unidos. Acredite nisso. Faça da sua PMERJ um lugar melhor para se trabalhar. E aprenda a votar nos irmão de farda.

Amanhã, às 09:00. 
Concentração: Copacabana Palace. Todos estão convidados. Principalmente, a população fluminense!

JUNTOS SOMOS FORTES

 CBMERJ - PMERJ - PCERJ

Um comentário:

  1. Por que o ato dos bombeiros cria um precedente perigoso

    Os bombeiros assim como qualquer categoria têm o direito de pedir melhoria salarial, ocorre que por servirem junto com a PM, sob regime militar, lhes é vetado o direto à greve. Nos últimos dias o que tenho visto no Rio é um circo. Uma categoria que vem sendo “doutrinada” por políticos faz meses, chega ao ponto de rasgar sua lei militar, invadir um quartel, ocupar e inutilizar viaturas.
    Ora, isso é inadmissível em um estado de direito. Imaginemos se médicos decidem fazer greve, invadir hospitais, furar pneu das ambulâncias e trancar as portas; E se um dia policiais em greve ocuparem os presídios e ameaçarem soltar os presos? Não obstante, teríamos ainda a possibilidade de Soldados do exército em greve, colocarem tanques para obstruir vias. Pergunto: Onde a sociedade vai parar? É esse o precedente que a sociedade deseja abrir com os bombeiros?
    Para que não corramos esse risco há uma legislação militar que rege as FFA, Bombeiros e a PM. Independente de qualquer pleito salarial, ela tem de ser respeitada. No momento em que a sociedade permitir que essa lei seja ignorada, estará pondo em risco sua própria ordem.

    ResponderExcluir

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

Stuart Mill

“A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

Barão de Montesquieu

"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

Provérbios 12.20