29 de agosto de 2008

NEM TUDO É PERFEITO AQUI

O relógio marca 07h50min. Estou um pouco em cima da hora para mais uma jornada de trabalho. Entro no pátio da unidade, com meu carro ainda sem placa que acabei de comprar. Normal. O pátio parece até uma agência de carros de tanto carro novo estacionado. Aceno com a mão um bom dia para um amigo meu, que passa um pouco distante de mim. Vejo-o conversando com um capitão e parecem estarem marcando algum churrasco ou algo parecido. Saio do carro. Aproximo-me dos dois e dou um bom dia e apertamos as mãos. E confirmo o que eu até então suspeitava. Sou convidado de imediato. Mas claro, tenho que deixar a minha parte no churrasco. Abro a carteira e meu amigo puxa umas das notas de 50 reais. Apresso-me, pois ainda não passei o cartão de ponto. Adentro pelo corredor principal. Atravesso em frente à porta do gabinete da chefia - Ele não pode me ver. Não por estar atrasado. Mas porque se ele me ver, será mais uns 10 minutos de conversa. O chefe conhece praticamente todos pelo nome. E olha que na minha unidade existem mais de 1100 policiais, distribuídos em quatro turnos de 8x72. Isso porque ele já possui quase 27 anos de serviço e como todos nós começamos carreira aqui como agente nível 6, que é o primeiro cargo policial após 2 anos na Academia de Polícia do Território Fluminense, A APTF, que no ano passado foi considerada a academia de polícia com a melhor infra-estrutura das Américas. Neste caso, preciso me ajustar melhor aos horários, pois posso perder pontos para minha promoção!


Finalmente passo o cartão e bato o ponto. Como não trabalho mais na ostensividade, não uso uniforme. Só se eu desejar. Então, automaticamente já estou de serviço. Meu nível é Inspetor II, com quase 13 anos de serviço. E aqui todos têm nível superior voltado para a área jurídica com ênfase em segurança pública. Nossos chefes e diretores gerais possuem Doutorado, que é requisito obrigatório para o exercício da função. E tudo mediante concurso interno! Nada de indicação política. E claro, toda a experiência acumulada na trajetória como policial. Não é possível, por exemplo, entrar na instituição como Inspetor. Todos sem exceção começaram lá de baixo.


Seguindo em frente avanço até o meu escritório, para ver quais ocorrências estão em andamento. Está tudo ali, em um programa de computador específico e feito somente para a polícia. Tudo via satélite e em tempo real. É possível saber de tudo, inclusive, quais vtr´s estão em almoço, já que não é necessário pedir autorização para tal. Claro, isso é coisa do passado. Pedir autorização para comer? Nem me lembro se isso existiu. E só para falar um pouquinho em operacionalidade, cito que nossas vtr´s estão interligadas entre si, possibilitando um cerco praticamente infalível. Cada viatura sabe onde a outra está. Elas comunicam entre elas mesmas de forma praticamente instantânea, sem o auxilio do rádio, com seus GPS´s integrados. Entro no sistema e envio um bom dia a todos via mensagem de texto. E essa parafernália toda serve para monitoração no caso de auxílio ao policial. Pois o policial mais experiente da viatura é responsável por tudo e tem poder para tomar qualquer tipo de decisão. Eu não preciso autorizar nada. Se o policial julgou necessário, ele sabe o que está fazendo. Afinal de contas, estou aqui no ar-condicionado e com a mente fresquinha. O policial que está na rua ante a ocorrência decide muito melhor do que eu. Até ofereço ajuda via sistema, deslocando mais viaturas para o local da ocorrência. Mas o policial não pode ficar desamparado nunca. Já trabalhei na ostensividade e sei que é lá que está o perigo.


E já são quase 10 da manhã. Nem vejo o tempo passar. Amo minha profissão. Acho que vou para a rua um pouco. Olho para o pátio, no lugar onde ficam estacionadas as vtr´s e vejo que a minha não está lá. E antes de pegar o telefone e ligar para o despachante de viaturas, vejo um recado, colado ao meu telefone. É do meu chefe, percebo logo, pelo garrancho. Ainda vou presenteá-lo com um caderno de caligrafia. No seu recado diz: “Caro Policial, sua vtr está estacionada no pátio de carros de passeio. O pátio das vtr´s está sujo de óleo e será lavado.” Nem tudo é perfeito aqui. Bem. Então é isso. Vou almoçar e já volto!

Um comentário:

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

Stuart Mill

“A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

Barão de Montesquieu

"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

Provérbios 12.20