15 de outubro de 2009

ESTADO DO RIO EM ESTADO DE DECADÊNCIA

Mais uma notícia daquelas, de arrepiar os cabelos. Policial Militar roubando e assaltando como se marginal fosse - peraí - marginal ele é; ou melhor, sempre foi.

E utilizando um Estado decadente, corrupto, onde quantidade está vindo na frente da qualidade, a polícia de sérgio Cabral contrata cada vez mais vagabundos e marginais. Desenfreadamente anuncia mais mil, duas mil, 4 mil vagas. É uma oferta que, de tanto promocional, está cheirando ruim. A esmola é muita não estão percebendo?

Caros civis fluminenses: eu sei que vocês, cidadãos de bem, jamais pisarão aqui dentro. Contudo tenho a plena certeza que vocês rezam todos os dias para que a plebe aqui adentre, em massa, para servimos de bode expiatório para vocês e este Estado falido, corrupto, encobrindo seus grandes assaltos, com ajuda do 4º poder para manipularem a massa ignorante e serem contra um todo, e não contra somente aqueles que são o verdadeiro mal.

A arapuca está tão bem armada que minhas palavras aqui não conseguem chegar aos ouvidos de quem de direito e pensam vocês que eu sou o único otário nesta história.

Mas venho aqui lembrar uma coisa: todo império um dia se desfaz. Seja ele do bem ou do mal.

A natureza encontrará um jeito, e guiar-se-á pelo inevitável caminho, orientada pela luz da verdade.

Reza a lenda, de duas rãs, daquelas que vivem nos brejos e pântanos que, sem lugar para se abrigarem, entram numa casa a procura de um novo lugar para viver.
Uma delas, já com a pele de seu corpo bem seca, adentra subitamente em uma frigideira de água bem quente, próximo ao ponto de fervura. Imediatamente a rã pula fora. A outra, porém, vê uma panela de água fria, e resolve então nela adentrar. Pensando ter se dado bem, resolve ali ficar.
Aos poucos a água vai ficando morna. E mais morna. E neste instante a certeza toma conta da rã: a água está no ponto ideal para sua nova moradia.
De tão aconchegante, esta rã resolve tirar um cochilo, já que está se sentindo confortável, como no seu antigo brejo.
A água vai ficando cada vez mais morna, mais morna, mais morna e....a rã morre assada.
O ambiente estava tão aconchegante e cômodo que a pobre rã, de tão esperta, não percebeu o momento exato de sair e escapar a tempo da água em súbito aquecimento...


A rã, caros senhores, são vocês mesmos. Estão em uma posição super confortével? Estão gostando de nos ver morrendo por vocês, corruptos e ladrões? Estão gostando de verem marginais tomarem conta de nossa instituição? Então vão se deleitando. Aproveitem bastante.

A ÁGUA ESTÁ QUASE NO PONTO DE FERVURA....

Um comentário:

  1. Só tenho uma coisa a dizer... Queria q td oq escreve e descreve aqui fosse diferente..
    [quem é sabe...]

    ResponderExcluir

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

Stuart Mill

“A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

Barão de Montesquieu

"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

Provérbios 12.20