PESQUISAR ESTE BLOG

16 de junho de 2009

O ESPETÁCULO DA UTOPIA

Vive-se um espetáculo. Daqueles, apreciáveis somente em atrações circenses. O Astro-rei desta atração é o governador, Sérgio Cabral Filho. Um dos piores da história do Rio de Janeiro. Os palhaços somos nós, funcionários públicos, suas peças de um jogo de xadrez e o “aclamado público”, é a própria população, que paga caro para ver este show.

A violência sem fim, sem controle, está originada em cima disto aí. Deste espetáculo. A realidade vivenciada por muitos de nós está distorcida, deturpada.

Aliás, a própria realidade percebida dos indivíduos torna-se a realidade social através deste espetáculo. Tanto as alegrias como os sofrimentos da humanidade, antes íntimos, passam a ser de caráter público, largamente explorados pela mídia esfomeada pela notícia lucrativa.

São os big brothers da vida, alienando milhões. Pessoas que já perderam a noção de valor (próprios) e sequer formaram a sua opinião, deixando que invadissem suas pífias formações culturais para tornarem-se robôs, controlados, manipulados.

A violência desenfreada, vendida como insumo de 1ª categoria, ganha em disparada dentro desta realidade social. Muitos não entendem o porquê de tanta violência, até que sejam vítimas dela.

Logo em seguida vem a indagação da “falta de policiamento” local. Irônico, é que o mesmo argumentador da “falta de policiamento”, compra jornal com policiais que dormiam em sua viatura policial, após longa e dupla jornada de trabalho, vivendo em condição de miséria, sem exagero. Pronto. Acabou de tirar mais dois policiais de serviço, desgraçando suas famílias. Ficou sem policiamento. E enriqueceu o monstro que tira a sua segurança. Alienado. Big Brother.

Como exigir, dentro deste quadro, segurança, educação e saúde? Culpa do capitalismo? Do governador? Nossa? De quem? O que está acontecendo? Que cultura é essa?

É a cultura do narcisismo? Onde se vende de tudo, até as pessoas? Ou o que as pessoas almejam ser? Até cor de olho já se vende. Não demorará muito e até o conhecimento poderá ser adquirido. Não duvidem. Se algum dia lhe afirmarem que 1 + 1 são 3, não duvidem. Somente peçam a explicação.

No final, o que fica? O próprio indivíduo. Alimentado por ele mesmo, num fim-sem-fim, confinado, alheio, alienado, paranóico. É o ápice de nossa sociedade contemporânea. O ápice não significa necessariamente o último estágio de evolução, como a palavra falsamente e ironicamente nos induz a pensar. Mas o ápice é o início do estágio seguinte.

Fica difícil exigir algo então. Espera-se que pelo menos, o fim não seja tão trágico. Mas seria bom que quando chegasse tivéssemos seguros...

E vamos vivendo essa utopia. Esta festa. Este espetáculo. Onde tudo é verdade e mentira ao mesmo tempo. Só queria participar dela como convidado e não como penetra, pois é assim que dela participamos. Nós, funcionários públicos. Nela, somos os bobos da corte. Os espectadores, o “respeitável público”.

Quando a realidade e a fantasia unem-se em uma só verdade, o ficcional aniquila a razão, delinqüindo o indivíduo. É o espetáculo da utopia.

3 comentários:

  1. A FILA ESTÁ ANDANDO !!!


    Prezado(a) mariotaqueus@gmail.com,
    Segundo solicitação, informamos que as proposições abaixo sofreram movimentação.
    PEC 300/2008 - Altera a redação do § 9º do art. 144 da Constituição Federal.
    - 23/06/2009Apresentação do Requerimento nº 5075/2009, pela Deputada Gorete Pereira (PR-CE), que requer inclusão na Ordem do Dia da PEC 300/2008.
    - 24/06/2009Apresentação do Requerimento nº 5087/2009, pelo Deputado Capitão Assumção (PSB-ES), que requer a designação dos membros da Comissão Especial destinada a proferir parecer à Proposta de Emenda à Constituição nº 300-A, de 2008.

    Atenciosamente,
    Câmara dos Deputados
    Para alteração de opções de recebimento, cancelamento ou suspensão deste serviço clique aqui

    ResponderExcluir
  2. Olá Oliveira! Tudo bem, colega?

    Seguinte, pessoalmente não vejo problemas. Não uso e nem preciso usar arma. Hoje, no Corpo de Bombeiros, arma só serve pra obrigar o bomba a ficar puxando hora de madrugada. Quanto a desmilitarização, também acharia interessante, pois aí deixaríamos de ser "subcidadãos" e teríamos uma série de direitos que hoje nos são negados.

    Porém, não concordo com a forma que tudo tem se desenrolado. Acredito, sim, que estão querendo "vender o sofá" para ver se encontram a solução mágica para a segurança pública funcionar.

    Estou muito desiludido cara. Estão miserificando nossas instituições. Recebemos salários faméricos e querem nos cobrar tudo. O regulamento ao pé da letra.

    Tá triste de trabalhar.

    Mas, vida que segue. Bola pra frente.

    Forte abraço e JUNTOS SOMOS FORTES!

    ResponderExcluir
  3. Greets dude!

    It is my first time here. I just wanted to say hi!

    ResponderExcluir

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

Stuart Mill

“A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

Barão de Montesquieu

"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

Provérbios 12.20