PESQUISAR ESTE BLOG

23 de abril de 2010

SERÁ QUE MERECEMOS UM BOM SALÁRIO?

É uma pergunta idiota. Quem não deseja ganhar um salário digno. Mas será que realmente merecemos?

Está ficando realmente admitir ou mesmo acreditar que o policial do Rio de Janeiro realmente quer ter um salário digno. Ou se merece. Será que merece? O dinheiro ilícito está falando muito alto. E além do ganho ilícito, o din din da segurança então nem se fala. Tem conhecido meu que está se matando em segurança e, com menos de 1 ano de caserna, já vai comprar seu carro zero!

Então penso eu: será que ele se importa com PEC ou salário digno?

Esta conduta também alimenta e fortalece o argumento de algumas autoridades do governo, que sabem que alguns de nós ganham muito mais do que qualquer policial da PMDF. Para quê, então, aumento?

O próprio Governador Marcello Alencar, no seu primeiro mandato (diziam alguns, um baita cachaceiro (todo mundo sabe)), disse a seguinte frase: "Para que PM quer aumento, se já possui uma carteira e uma pistola?"

É facil perceber que a crise da PMERJ é uma crise existencial. A Instituição, além de ser dividida, possui ainda outras sub-divisões, individuo-pessoais,no estilo cada um por si. E a Instituição somente faz sentido e só tem razão de ser se soar em uníssono.

Como queremos ter então a tão sonhada Segurança Pública dentro destes conceitos? É fácil conculir: jamais.

Soma-se a isso a correria desenfreada para o acúmulo de riquezas e bens materiais, adicionado ao poder(!?) que a pistola e a carteira de papa mike proporciona àqueles que não possuem conhecimento suficientes para perceberem que são escravos deste sistema. Não é possivel para estes perceber que são escravos de si mesmos.

Alguns dois ou três amigos eu ajudei a entrar nesta corporação. Dei dicas de como proceder na fase de seleção a fim de evitar uma possível reprovação. Dicas, digo eu, como regras de conduta e de comportamento básicos, já que eram extremamente "paisanos", acostumados coma  vida relaxada e falta de compromisso com horário, etc.

Após adentrarem, hoje em dia já seguiram o caminho da mal. É muito fácil. É atraente. É Deslumbrante. E cega.

PEc 300? Para quê?

A tão sonhada vida agora é realidade. O buraco foi suprido com o "kit polícia", e a vida minguada e de dureza ficou para trás. Até os amigos que ajudaram a construir uma vida melhor e galgar o caminho da vida policial foram deixados para trás. Para que serei útil agora, se nada mais tenho a oferecer?

Operação Padrão? Para que?

Em um dia de RP o policial tira, em dias ruins uns 100 reais em média. Imagine num mês.

Salário digno para que?

Em um boa segurança, um policial tira 120 reais por dia. (Nas seguranças medianas, uns 60 reais).

Filosofando um pouco agora. Quem é usuário do metrô sabe. Existe um aviso para não cair no buraco entre o metrô e piso do hall no embarque. É só ficar atrás da faixa amarela e quando a porta se abrir, não pisar no buraco. Nos países de língua inglesa, esta advertência chama-se "mind the gap".

O aviso, ao nos alertar para a existência deste buraco, me fez pensar e viajar. Será que ele nos mostra também a distância entre a vida que nos almejamos, que nós sonhamos, e a vida como realmente ela é?
Entretanto nos esquecemos deste gap e o pulamos, não nos importando com quais métodos utilizamos para transpor o obstáculo. Temos a tendência de esquecer facilmente como e de que maneira, conseguimos pular o buraco.

Alguns de nós da segurança pública, estamos atrás deste buraco. E outros porém já o pularam.
E ao que me parece, aqui no Rio de Janeiro, este buraco para alguns parece não existir ou pelo menos, conseguiram pular sem se importar com o método utilizado para transpô-lo.

E os que não pulam, se importam com o intervalo. Mind the gap. Cuidado com o vão. Porque é onde agente costuma se machucar. É onde o chão costuma desmoronar abaixo de nossos pés.

Parabéns aos que pularam o vão. Nós, que não pulamos, "we mind the gap".

Mas quem vai saber. É só um devaneio.

Enquanto isso ficamos nos degladiando, oficiais vs praças, numa luta sem fim.

Não vejo muito sentido nesta briga e nem há mesmo algum sentido. Aliás, quero deixar claro que quando ataco ofiais de polícia, me refiro sempre aqueles que me desrespeitaram uma ou outra vez, e não aqueles que eu não conheço. Eu não pretendo generalizar. E em contrapartida eu também gostaria de não ser generalizado. Já basta a sociedade, que chama o PM de corrupto. Eu não sou corrupto. Não sou ladrão. E sou PM.

Portanto, gostaria de chamar aqui os nobres oficiais,verdadeiros, se assim o desejarem, para se unirem a nossa causa. E chamo principalmente, também, as praças. Vamos ter um pouco de vergonha na cara. Vamos nos respeitar e trabalhar sério. Eu sei que deve ser difícil. Vamos parar de pegar o troco do pedágio da linha amarela, o "café" ou sei lá o quê. Vamos começar a prender o cidadão em situação irregular. Chega desta história de dinheiro sujo. Será que vale a pena se vender por tão pouco?

Assim conseguiremos a aprovação das PEC's e garantir os nossos direitos.

Um comentário:

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

Stuart Mill

“A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

Barão de Montesquieu

"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

Provérbios 12.20