9 de fevereiro de 2014

VIA RÁDIO GLOBO: DEPOIMENTO DE DONA ROSALINA NA ÍNTEGRA.

'Ninguém ligado à defesa dos Direitos Humanos me procurou', diz mãe de PM morta

Maria Rosalina Rafael Castilho, de 59 anos, é mãe da soldado Alda Rafael Castilho, morta em ataque de bandidos à UPP do Alemão

Escute o depoimento clicando aqui.

 Segue a reportagem...

Acordar às 4h30m todos os dias com a filha era um hábito de Maria Rosalina Rafael Castilho, de 59 anos. Agora, ela se levanta sozinha. A filha, Alda Castilho, de 27 anos, soldado da Polícia Militar do Rio, foi morta no último domingo. Lotada na Unidade de Polícia Pacificadora no Complexo do Alemão, Zona Norte da cidade, Alda saía de casa, na Baixada Fluminense, bem cedo pela manhã para trabalhar. A mãe, que tem mais outras duas filhas, reclama da falta de amparo das autoridades.

'A PM esteve na minha casa nesta quinta-feira para dar assistência à minha família, mas só depois que eu fui falar com eles. Me ofereceram atendimento psicológico. Nem a prefeitura da minha cidade me procurou. Direitos Humanos, que eu ouço falar, que defende bandido, também não me procurou', lamenta.

Emocionada, Maria Rosalina contou que a filha, mesmo após as dificuldades para estudar, tinha sonhos e sempre quis ajudar os outros. A PM estudava psicologia e planejava se casar no ano que vem.

'Minhas filhas só conseguiram vaga em colégio público já adultas. A Alda dava brinquedos para as crianças do Alemão e, inclusive, levou um grupo para gravação do programa da Xuxa', lembra. 
Mãe de Aline, de 30 anos, e de Amanda, de 29, Rosalina afirma que o que mais leva em conta na vida é a honestidade. 

'Além de pobre, sou negra, trabalhadora e honesta, como minha filha era. Hoje, no Rio de Janeiro, a honestidade não tem valor', diz. 'Sou anônima porque trabalho e vivo do meu suor. Talvez se eu levasse outro tipo de vida, estaria aparecendo e sendo procurada'.
Por fim, ela faz um apelo aos órgãos públicos. 'Eu sei que nada vai trazer minha filha de volta, mas eu gostaria de pedir às autoridades, na hora que sentarem em suas mesas fartas, que pensassem na educação e no respeito', completa.
 
CRÉDITOS DA RÁDIO GLOBO
 
 
OPINIÃO: Parabéns a disponibilização do áudio em sua integralidade pela Rádio Globo, que mostra a realidade da nossa missão Policial Militar, nas palavras do depoimento da mãe da Policial Militar assassinada no Parque Proletário.
 
Não irei fazer comentários. O depoimento fala por si só. Só uma única palavra:
 
BRASIL.
 
 
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

Stuart Mill

“A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

Barão de Montesquieu

"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

Provérbios 12.20