sábado, 12 de fevereiro de 2011

CERTIDÃO DA JUSTIÇA MILITAR - COMO OBTÊ-LA

De acordo com a Portaria Nº 109, de 03 de Fevereiro de 2011 do Ministério da Justiça, os militares dos Estados, ao realizarem uma nova solicitação para o recebimento da Bolsa Formação, deverão a partir de agora, emitir a Certidão Negativa da Justiça Militar.

Não foi informado exatamente o modo como será feito para obtê-la. Entretanto, há um link na internet que leva até lá. Não sabemos se é o formato válido e aceito. Mas de antemão o disponibilizo para sua retirada, clicando aqui.

Vamos torcer para que seja só isso mesmo. Porque com o atraso do gestor federal para o último ato homologatório, muitos colegas já estão com suas certidões negativas criminais da Justiça Estadual vencidas. Uma lástima.

Viva Dilma Roussef. Ainda bem que não votei nela. E eu avisei. Pobre militar do Estado. Ainda se enganando com promessas de governo. Tsic.


2 comentários:

  1. ACESSO O LINK DA JUSTIÇA MILITAR PREENCHO OS CAMPOS E CLICO EM EMITIR.PORÉM,NÃO A APARECE NADA.EXEMPLO NÚMERO DO PEDIDO OU IMPRESSÃO DO PEDIDO.OQUE HÁ DE ERRADO???????

    ResponderExcluir
  2. Lembre-se de dasabilitar o bloqueador de POP-UP do seu navegador.
    Outro detalhe: esta certidão é do Superior Tribunal Militar (União). Não sabemos se será a da Justiça Militar Estadual. No caso do Rio de Janeiro, não existe Tribunal de Justiça Militar. Somente a AJMERJ (Av. Rodrigues Alves, 731, 5 andar).

    ResponderExcluir

"Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"
Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.




"Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"
Provérbios 12.20

"Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".
Stuart Mill